Todas as Canções de Amor | Crítica

De antemão,“Todas as canções de amor” é um filme com direito a saudosismo e frescor, traz um jovial amor que tem desejo por dar certo, cheio de incertezas e expectativa. E outro, já cansado e frustrado, consequência de uma dose insuficiente de entendimento e compromisso.

Maturidade 

Aliás, conhecer alguém, entender suas dores e tocar seu coração só é possível com a intenção diária de proporcionar esta experiência ao parceiro. Os motivos que levam alguém a criar barreiras e outros obstáculos tem origens diversas e cada qual pode ser solucionada ou não; a depender da maturidade e entrega empenhada. Não é sobre idade ou duração da união. Casais que coabitam no tempo e espaço, ainda assim, podem estar mais sozinhos do que se abraçassem sua própria solitude.

O outro

Acima de tudo, delicado e sensível. É fácil se colocar na pele dos personagens e ver o que desejam expressar em suas atitudes e gestos; tão nítidos, porém inoportunamente ignorados; principalmente por quem desejariam que mais os entendesse.

Nesse sentido, seremos nós capazes de acolher e cuidar, com zelo e respeito, da individualidade do outro? Precisamente, atentamo-nos àquilo que amamos numa pessoa mais do que a reconhecer o que a torna um ser único e encantador, apesar de não nos agradar diretamente certas qualidades?

“Todas as canções de amor” conduz por um caminho que só a música permite; direciona emoções e cria disposição para amar, sofrer e superar os desafios da vida a dois. Mostra que nenhum fim é certo, nenhuma história é idêntica. As receitas e ingredientes alteram os bolos de vida, que podem transbordar, solar e até queimar; é o que se faz no dia a dia que irá determinar o resultado. É Sobre nossos desejos íntimos e o quanto temos consciência destes, a ponto de criar uma realidade condizente e cheia de propósito.

Veja o trailer:

Enfim, especial destaque dá-se à direção musical de Maria Gadú, que teve tato e fino gosto do início ao fim do projeto, com arranjos e tons impecáveis que acariciam as cenas. Sua dedicação ante o resultado alcançado é evidente. A vontade que fica é de encontrar por aí uma segunda k7 tão poderosa e perfeita que inspire uma sequência deste longa.

Logo, lembre-se que uma grande história é parte destino, parte sorte e muita vontade mútua de fazer dar certo. Não abram mão de sua solitude por um amor meia boca e que não encha os olhos e o coração.

Ademais, veja mais:

Rosa e Momo | A busca para preencher a lacuna de afetos
Crítica | A saber, ‘Era Uma Vez Um Sonho’ é elegia caipira emocionante na Netflix
Amigas para Sempre | Conheça a cativante Alameda dos Vagalumes

 

5 Comments

Escreve o que achou!

%d blogueiros gostam disto: