Wednesday, September 22, 2021

L.O.C.A. | Comédia brasileira debate relacionamentos tóxicos

Tem duas coisas que com certeza já aconteceram com todas as mulheres (ou a maioria): ser chamada de louca e ter relacionamentos tóxicos. As personagens de L.O.C.A. não fogem dessa infeliz realidade. Idealizado e produzido por Carolina Jabor e escrito e dirigido por Claudia Jouvin, o longa, que estreia dia 15 de agosto no Telecine, conta a história de mulheres que estão em relacionamentos ruins, mas se cansam de viver assim, como disse Carolina Jabor na coletiva de imprensa.

L.O.C.A. é um filme sobre mulheres fortes que explodem porque não aguentam mais os relacionamentos abusivos e partem para tomar providências, que às vezes extrapolam a razão. É um filme pra abrir a discussão sobre qual é o limite das relações amorosas”, declarou Carolina.

Aliás, veja um pouco mais no trailer e siga lendo:

Protagonizado por Mariana Ximenes, Roberta Rodrigues e Débora Lamm, elas são Manuela, Rebeca e Elena. Mulheres que se conhecem no grupo L.O.C.A., a Liga das mulheres Obsessivas Compulsivas por Amor. Com histórias diferentes de relacionamentos ruins, as três se unem para “se vingar” de seus parceiros. Mas não é um filme de mulheres lutando contra homens, e sim de união entre mulheres e a busca de se entender quem se é.

Sua intenção não é ser realista, por isso muitas situações chegam ao extremo. É uma comédia, afinal, e a intenção é tirar o riso do espectador. Porém, como a atriz Débora Lamm disse muito bem na coletiva de imprensa do filme, “a comédia tem potência de transformação”. Portanto, ver as situações apresentadas pode fazer muitas mulheres se reconhecerem nas personagens e ter coragem de admitir que estão em relacionamentos que não são saudáveis. E, quem sabe, conseguir fazer algo em relação a isso ou buscar ajuda, como disse a diretora Claudia Jouvin:

“É quase uma missão pra mim falar que isso existe e que tudo bem você dizer. Porque a maior parte das vezes quando você está em um relacionamento tóxico, você tem muita vergonha de estar passando por isso. Quando você coloca isso em um filme com história diferentes para abrir a identificação do público, você diz que tudo bem, isso acontece, mas aprenda a se defender”, falou Claudia.

Equipe feminina contra os relacionamentos tóxicos

Decerto as mulheres do filme se defendem. É interessante observar que cada uma age de um jeito, o que amplia a identificação. Mas algo em comum é a ótima performance de todas elas. Além do trio de protagonistas, as atuações dos outros atores também estão alinhadas com a comédia, arrancando gargalhadas do espectador em várias cenas. Porém, há de se destacar Gisele Fróes no papel da mãe de Mariana Ximenes. Quando ela está em cena, não tem pra mais ninguém. Você só olha pra ela.

Algo que é similarmente difícil de tirar os olhos é a arte do filme. Com direção de arte de Kiti Duarte, cada protagonista tem sua paleta de cores. E ela está explícita nos cenários e nos figurinos de Marina Franco. As duas profissionais trabalham juntas para levar ao público o mundo de cada uma das personagens. É fácil perceber que são elementos que também ajudam a contar a história.

Aliás, um ponto positivo do filme é a equipe ser formada, em sua maioria, por mulheres. Como é um filme sobre elas, é muito importante que tenham mulheres por trás das câmeras, pois não há quem fale melhor sobre elas do que elas. E em todas as áreas da produção. Até Érico Brás, que interpreta Jorge, o marido de Rebeca, disse ter gostado mais de trabalhar com uma equipe majoritariamente feminina.

“Pra mim foi uma surpresa entrar em um set tão bem comandado, com uma outra energia. Isso tem que estar no mundo inteiro”, afirmou Érico.

Salvação

Porém, o longa não está aí para vilanizar homens e colocar as mulheres como heroínas. Ele, acima de tudo, abre espaço para o debate. E aponta como relacionamentos mais saudáveis são um caminho possível.  Porém, antes de tudo, é preciso haver diálogo e respeito. Isso fica bastante nítido no relacionamento entre a irmã de Manuela (Valentina Bandeira) e seu marido, Otávio (Victor Lamoglia). Mais novos que os personagens principais, mostram como não só as mulheres já conseguem se impor mais nos relacionamentos, como os homens também se preocupam mais com essas questões. Trazendo uma mensagem de esperança. O que é muito necessário em tempos como os que estamos passando.

Com o propósito de levar alegria às pessoas durante a pandemia, o longa estreia diretamente no Telecine. Às 22h do dia 15 de agosto será possível acompanhar o descobrimento pessoal das personagens. E, com toda certeza, dar muitas risadas.

Ademais, leia mais:

M8: Quando a morte socorre a vida | Filme denuncia racismo estrutural no Brasil

Crítica | ‘Free Guy – Assumindo o controle’ traz Ryan Reynolds sendo Ryan Reynolds

Hamilton | O musical revolucionário chegou na Disney+

4 Comments

Escreve o que achou!

%d blogueiros gostam disto: